Mar D’Canal

Reina um profundo silêncio no convés do barco, em contraste com o buliço, e a quase gritaria dos momentos que antecederam ao embarque. Mal se cortam as amarras, os passageiros entregam-se a um silêncio de quase reverência e respeito pelas forças da natureza.

Para trás fica São Vicente com o sol a despertar ali por trás do Monte Verde. 

O mar, apesar de estarmos abrigados pelo olho do vulcão submerso, está encorpado.

Entre preces, enjoos e turistas agitados, ouve-se a voz grave do motor que nos empurra pelo “Mar D’Canal”.

Ao largo, outra embarcação toma a nossa atenção.  Vai veloz, quase fantasma em direção a terra.

Tem nome de casa o último poiso de pés ao largo de Mindelo. Ilhéu, casa dos pássaros, que procuram repouso nas suas longas viagens pelo oceano. Dizem que é o dente de um monstro bom que vive nas profundezas do canal.

O sol impiedosamente toma conta do céu e a viagem continua.

Sabe bem partilhar com os outros...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *